Esses dias, fazendo carinho em Lila, percebi que na parte de traz próximo da pata esquerda estava quase sem pelo, na hora levei um susto. Logo ela que tem um pelo lindo, daí fui dar uma olhada mais a fundo. Percebi um tipo de caspa, e também reparei que Lila estava se coçando mais que o normal. Claro, logo acionei o veterinário, e graças a Deus nada demais, um shampoo apropriado foi o suficiente pra resolver, mas nem sempre o caso é simples.

E bom ficar atento, porque os problemas de pele nos cães são muito mais comuns do que a gente pensa.

Coceira, vermelhidão na pele e queda de pelos são sinais de que o cachorro pode estar com uma doença dermatológica. Se não for tratada a tempo, o quadro pode evoluir e causar problemas mais graves como anemia e doenças infecciosas.

Para evitar doenças de pele, é fundamental manter as vacinas do seu melhor amigo em dia, realizar regularmente o controle de pulgas e carrapatos e manter a higienização do animal. Ele deve tomar banhos frequentes e viver em ambientes limpos.

As doenças dermatológicas mais comuns são dermatite alérgica à picada de pulgas e carrapatos, sarna, malasseziose e piodermite.

Veja abaixo os principais sintomas de cada uma delas e a melhor forma de prevenir e tratar o problema.

Dermatite alérgica à picada de ectoparasitas

Carrapatos e pulgas se alimentam do sangue dos cães, provocando coceira, vermelhidão e a inflamação da pele. Os parasitas podem ainda ocasionar anemia, além de doenças infecciosas graves. A prevenção pode ser feita com um rigoroso controle de pulgas e carrapatos por meio de controle ambiental e através da utilização de produtos que matam os ectoparasitas. Durante o tratamento, o tutor pode utilizar produtos que aliviam a coceira.

Sarna

Existem dois tipos de sarna: a demodécica e a sarcóptica. Provocada por diferentes tipos de ácaros, a sarna inflama a pele do animal e pode provocar a perda de pelos. A sarna demodécica é uma doença não transmissível que acomete animais com predisposição genética. Já a sarna sarcóptica é contagiosa e pode acometer cães, gatos e seres humanos. O tratamento é feito com medicamentos via oral à base de princípios ativos que combatem o ácaro, como a ivermectina ou a moxidectina.

Malasseziose

Ocasionada por fungos, a malasseziose se prolifera quando há fatores que promovam a sua multiplicação, como umidade excessiva e uso de corticoides e antibióticos. Enfermidades que prejudicam a barreira da pele, como a atopia, que é uma alergia à substâncias ambientais como pólen de planta, esporo de fungos e ácaro de poeira doméstica, permitem a proliferação do fungo. Os indícios da doença são coceira, pele oleosa e queda de pelos. A prevenção da doença é feita ao manter a barreira da pele do cão íntegra com banhos com xampus para pele sensível e produtos hidratantes. O tratamento é feito com xampus e medicamentos antifúngico.

Piodermite

Essa infecção é causada por bactérias. Normalmente, a piodermite está relacionada a alguma outra doença e, por esse motivo, deve-se descobrir a doença primaria que está originando o problema. Por exemplo, a piodermite pode ser secundária à dermatite alérgica. Os animais que apresentam essa doença de pele costumam ter lesões com presença de pus e pele avermelhada. O tratamento é realizado com xampus e antibióticos via oral.

A melhor forma de prevenção é manter a pele do animal saudável. O ambiente em que o cachorro vive deve estar sempre limpo. Também é importante dar banhos regulares, manter a proteção contra ectoparasitas e, ao sinal de coceiras, levar o pet ao veterinário antes que o ato de coçar origine uma piodermite.

Apesar de muitos tipo de doenças de pele, o importante e que elas são tratáveis. É muito importante ficar atento aos sinais dos pets, eles podem dar indícios do que esta acontecendo, e claro, a prevenção sempre é o melhor remédio.

 

 

Colunista: Josy Alves (jornalista)
Fonte: petcidade
Foto: Site Campos Agora