Olá mamães! Tudo bem? Esta semana, a coluna Espaço das Mamães vai falar de um tema que muitas mamães têm dúvidas: Como tirar a chupeta e qual o melhor momento? Com a Larah, eu consegui tirar muito rápido, aos dois anos de idade! Eu aproveitei que ela ficou mastigando a chupeta e a furou e disse a ela, que ela tinha destruído a chupeta, que agora ela teria que chupar daquele jeito mesmo. Mas como ela não conseguia, passou a primeira noite bem agoniada, mas na segunda, já foi se acostumando e largou de vez. “Graças a Deus”! Veja no artigo desta semana, as dicas que trazemos para vocês! Boa sorte! Depois contem aqui, como conseguiram fazer com os seus pequenos.

Vanessa e Larah

Vanessa e Larah

O tempo com filho agora maiorzinho não passa, ele voa, certo? E assim, com tanta mudança rápida, chega a hora de deixar para trás alguns velhos hábitos, como a chupeta. Veja como fazer a transição sem muito drama.

Meu filho adora chupeta. Isso é preocupante?
Muitas crianças se acalmam quando chupam a chupeta e chegam a usá-la bem além dos dois anos. Às vezes a chupeta também ajuda a criança a aliviar o estresse ou a se adaptar a situações novas e desafiadoras, como começar a ir à creche ou escolinha, ou fazer uma viagem longa de carro.

Há boas razões, porém, para abandonar o hábito. Se ela tem tendência a infecções no ouvido, por exemplo, largar a chupeta pode ser uma boa ideia.

A chupeta também não ajuda crianças que parecem estar desenvolvendo problemas de fala. O ato de sugar ou chupar mantém a boca da criança em uma posição pouco natural, dificultando o desenvolvimento dos músculos da língua e dos lábios.

Mesmo que não dê para perceber nada de errado, seu filho está aprendendo a falar, e fazer isso com uma chupeta na boca pode atrapalhar o processo, alterando o modo como os sons são pronunciados e restringindo os movimentos da língua.

Em alguns casos, o uso frequente da chupeta faz com que a língua se projete para a frente, o que pode causar problemas nos dentes ou de ceceio (às vezes confundido com a língua presa: a língua entra no meio dos dentes na hora de falar sons como”s” e “z”).

Por esses motivos, é recomendado limitar o tempo de chupeta da criança ao mínimo possível (somente quando ela for dormir, por exemplo) e ajudá-la a parar de vez com o hábito o quanto antes.

Chupetas afetam os dentes da criança?

Crianças que chupam constantemente os dedos ou a chupeta podem acabar com uma alteração no desenvolvimento do osso do palato (céu da boca). O ideal é que a chupeta tenha sido deixada de lado antes dos três anos. Saiba mais sobre como chupar dedo ou chupeta deforma a boca.

Não deixe de levar seu filho que já tem dentinhos a consultas odontológicas para que o dentista possa verificar como andam os dentes e a mandíbula da criança.

Como faço meu filho largar a chupeta?

O melhor é que seu filho largue a chupeta sozinho, pois a necessidade de chupar algo deve diminuir naturalmente conforme ele cresce.

Para ajudá-lo, fique de olho e, quando ele quiser a chupeta, providencie algo para substituí-la. Se ele pega a chupeta quando está entediado, ofereça alguma atividade mais interessante, como um brinquedo ou livro para folhear.

Já se a criança tende a colocar a chupeta na boca quando está preocupada ou se sentindo insegura, ajude-a a explicar o que ela está sentindo. Faça perguntas para descobrir o que está acontecendo e conforte-a de outro jeito — com beijos e abraços, por exemplo.

Para encorajar seu filho, elogie quando ele conseguir ficar sem a chupeta. Você também pode controlar o uso da chupeta, e deixar que ele a use só à noite ou na hora do cochilo. E procure não oferecer a chupeta. Se ele não pedir, não dê, mesmo que ele esteja acostumado a dormir com o bico.

Experimente usar um calendário para anotar os dias que seu filho ficou sem a chupeta. Para cada dia sem, marque com um adesivo colorido, como uma estrelinha dourada. E quando ele completar uma semana sem chupeta, dê um prêmio, como um passeio especial ou uma brincadeira a dois.

Mas até que a chupeta seja totalmente abandonada, seja paciente e continue com os cuidados básicos: lave bem a chupeta uma vez por dia e também quando ela cair no chão.

Deixar a chupeta por alguns minutos numa solução com água e vinagre branco uma vez por dia ajuda a prevenir o aparecimento de fungos. Enxágue bem e deixe secar naturalmente. Ensine seu filho a nunca emprestar a chupeta a amiguinhos.

Quando lavar a chupeta, verifique se o bico está firmemente colado à base (para que não haja risco de ele se soltar e seu filho engasgar) e troque assim que vir algum sinal de desgaste.

Truques e estratégias para a chupeta ir embora de vez.

Diminua aos poucos os períodos em que permite o uso da chupeta.
Restrinja a chupeta a momentos críticos do dia, como a hora de dormir ou quando seu filho está doente, se sentindo mal.

Seja firme.
Se for premiar a criança por não usar a chupeta, prefira brincadeiras, passeios, privilégios, adesivos ou presentinhos simples — não dê doces a ela no lugar da chupeta.

Reforce a ideia de que crianças mais velhas não usam chupeta — elas adoram se sentir mais crescidas.
Incentive a criança a dar todas as chupetas para alguém — nem que seja o Papai Noel ou o coelhinho da Páscoa. E, depois que ela der, faça de tudo para não voltar atrás. Se não houver nenhuma data apropriada próxima, você pode inventar a “fada da chupeta”, que deixa um presentinho em troca.

Converse com outros pais para saber que estratégias eles usaram. Há quem faça, por exemplo, um furinho na chupeta, prejudicando a sucção, e diga ao filho que a chupeta “quebrou”.

Identifique os sinais de que seu filho está pronto para largar a chupeta e aproveite o momento. Durante um resfriado, é comum que a criança rejeite a chupeta, pois precisa respirar pela boca por causa do nariz entupido. Se isso acontecer, tire as chupetas de vista e espere. Quando seu filho pedir a chupeta, não dê imediatamente. Pode ser que ele largue o hábito naturalmente.

Invista na rotina da hora de dormir: anuncie uma mudança (um bichinho novo, a mudança do berço para a cama, um novo hábito, de ouvir música ou contar histórias de um livro, por exemplo), e explique que na nova rotina — de criança grande — não há espaço para a chupeta. O entusiasmo com a novidade pode ajudar.

 

 

Colunista:  Vanessa Nascimento (Jornalista)
Fotos: Arquivo pessoal
Fonte: Baby Center