O fim da proibição de mulheres em estádios de futebol do Irã termina nesta quinta-feira, no duelo entre a seleção nacional contra o Camboja, no Estádio de Azadi, pelas Eliminatórias para Copa do Mundo do Qatar de 2022. Mais de 3,5 mil torcedoras são esperadas no duelo, após a restrição imposta pelo governo em 1979.

Os ingressos estão esgotados para um estádio tem capacidade de 80 mil espectadores, onde “está garantida a presença de cerca de três mil e quinhentas mulheres”, avançou a agência iraniana de notícias.

A abertura dos estádios às mulheres surge semanas depois de a jovem Sahar Khodayari, conhecida como Blue Girl, morrer após se ter colocado fogo no próprio corpo em frente a um tribunal de Teerã, num ato que tomou por ter sido condenada a seis meses de prisão por tentar ir a um jogo.

Com a onda de protestos que surgiram após a morte da jovem de 29 anos, a Fifa foi até o Irã e exigiu garantias de que as mulheres seriam autorizadas a entrar nos estádios. O Estádio Azadi terá o primeiro jogo com mulheres nas arquibancadas, onde terão redes para separar homens e mulheres.

Em junho, a Fifa escreveu para a Federação Iraniana de Futebol em junho, solicitando um cronograma para que as mulheres pudessem comprar ingressos para as eliminatórias ou enfrentar consequências.

“As mulheres podem ir ao estádio Azadi, em Teerã, para assistir à partida entre a seleção nacional do Irã e o Camboja em outubro para a eliminatória da Copa do Mundo do Catar”, afirmou o vice-ministro do Esporte Jamshid Taghizadeh, segundo o IRNA.

O comunicado foi enviado em junho, depois que algumas mulheres foram detidas pelas forças de segurança quando foram ao Estádio Azadi para um amistoso contra a Síria. No ano passado, algumas mulheres arriscaram ser presas vestindo barbas e perucas falsas para participar de um grande jogo no estádio.

 

 

 

 

 

 

Fonte: Extra
Foto: ATTA